Pós-operatório: Os cuidados variam com a época do ano?

A altura do ano e a temperatura e exposição solar a ela associadas influenciam a recuperação e sucesso da cirurgia, bem como a sua rotina diária durante algumas semanas, pelo que faz todo o sentido tê-la como fator determinante para a realização do procedimento.

Para maximizar os resultados e garantir uma recuperação total e segura e esconder as cicatrizes enquanto o processo de cicatrização ainda não está completo, é importante planear a cirurgia de acordo com a época do ano.

Outono, Inverno e Primavera:

Esta altura do ano é ideal para a realização de qualquer tipo de cirurgia, desde facelifts a lipoabdominoplastias.

O tempo frio permite a utilização de roupas mais largas e volumosas, úteis para esconder eventuais inchaços e hematomas. Para além disto, em grande parte das cirurgias a exposição solar não é recomendada por influenciar a cicatrização e deixar possíveis marcas. Também é mais fácil repousar nesta altura do ano pois, com o frio, não temos tanto a tentação de sair de casa e a vida social tende a ser mais calma.

Verão:

O Verão não é a altura ideal para realizar cirurgias devido às altas temperaturas, sinónimo de suor e inchaço que podem comprometer a cicatrização e drenagem natural e causam desconforto quando necessária a utilização de cintas elásticas.

Ainda assim, a sua realização não está contra-indicada desde que sejam tomados os devidos cuidados pós–operatórios para que os resultados não sejam comprometidos devido à exposição ao sol e ao calor.

Com o aumento médio das temperaturas, é normal que a probabilidade de ocorrência de edemas seja maior, o que resulta numa recuperação mais longa. Como tal, o cuidado no pós-operatório deverá ser redobrado.

O cliente que se submeter a uma cirurgia plástica durante o Verão não deverá, em circunstância alguma, expôr-se diretamente ao sol pois as cicatrizes podem escurecer e as equimoses (nódoas negras provocadas pela própria cirurgia), podem adquirir um aspecto de tatuagem.

É recomendado que permaneça em casa, mantendo-a fresca, durante o pós-operatório e, mesmo findo, utilizar protetor solar com fator muito alto, reaplicá-lo a cada três horas e colocar uma fita microporosa por cima. A utilização de bonés ou chapéus também está aconselhada no caso de cirurgias da face.

Nas cirurgias maiores, principalmente as que envolvam lipoaspiração, a desidratação é um fator importante a ser prevenido. Neste caso, é importante uma ingestão hídrica diária superior a 3 litros nos primeiros dias, evitando assim a hipotensão, que pode ser potenciada pelo calor excessivo do Verão.

Apesar do calor, no caso de cirurgias corporais, a utilização de cintas compressivas é essencial e obrigatória para evitar o inchaço excessivo e a formação de fibroses. Estas devem ser utilizadas permanentemente no primeiro mês de pós-operatório, retirando-se apenas para o banho e massagens.

 img_sintomi_della_disidratazione_come_riconoscerli_16179_300
A acrescentar à utilização de cintas compressivas, a drenagem linfática constitui um recurso essencial e básico no pós-operatório de todas as cirurgias, permitindo a redução dos edemas e hematomas, além de melhorar o desconforto sentido pelo cliente.

Seja qual for a altura do ano que preferir, esteja à vontade para me contactar para esclarecer qualquer dúvida ou marcar uma consulta.

David Rasteiro

Shape your confidence.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *